ARCANJO METATRON – A VERDADEIRA HISTÓRIA DA ASCENSÃO E QUEDA DA ATLÂNTIDA

Compilamos aqui alguns trechos que acreditamos ser pertinentes de compartilhar com vocês neste agora, uma verdadeira viagem aos tempos atlantes, que poderá lhe trazer alguns insights, especialmente, se você já está matriculado em nosso curso descubra sua origem cósmica ou é aluno de nosso curso de formação: cristais que curam! Seja como for, ouça a transmissão até o final e aproveite com a gente essa aventura cósmica, tendo como nosso guia turístico Arcanjo Metatron!

Ele inicia dizendo: “Saudações, Mestres! Eu sou Arcanjo Metatron, Senhor da Luz! Saúdo todos vocês num vetor de amor incondicional!” Após fazer um breve esclarecimento sobre o poder da energia cristalina, sobre a importância de aprender a trabalhar com os cristais, Metatron discorre sobre os segredos de Atlântida, o Elo Perdido de Pangaea:

“Queridos, a energia Cristalina é uma fonte onipotente de poder, com implicações que estão muito além da atual compreensão da humanidade. A estrutura Cristalina é formada por uma essência de ressonância de luz frequencial que é multidimensional e coerente, existindo na matéria e na antimatéria. É a matriz Metatrônica divina, que dá origem a toda manifestação da criação, e forma a composição matricial de todos os planos de existência. É a enzima da realidade e a fonte de vitalidade do próprio Cosmos. 

Os pensamentos que vocês têm devem se elevar ao formato cristalino coerente, para poderem se manifestar. A luz coerente é energia cristalina, a vitalidade da qual é formada a natureza integral de todos os mundos e realidades. A estrutura cristalina, forma os limites e divisões aparentes entre dimensões, planos e o flash de matéria/antimatéria da consciência, em paralelo e probabilidade. Tudo é cristalino.”

“Atlântida é realmente o elo perdido de Pangaea, localizada no meio do Atlântico. Compartilharemos sua história com vocês em detalhes, mais adiante. Mas observem, Mestres, que nem todos os grandes Cristais dos Templos de Atlântida se perderam. Na verdade, alguns de vocês estiveram envolvidos no resgate deles.

O primeiro Cristal de Templo que foi salvo foi o Cristal Azul do Conhecimento. Ele está sob a Terra, sob o centro coronário do Vórtice, chamado Talimena Ridge, num poço sagrado construído há muito tempo atrás. O Cristal Azul do Conhecimento se mantém ereto, com quarenta e oito pés de altura e doze pés de diâmetro (14,630m – 3,6576m). Ele pulsa e irradia um arco-íris de cores prata, turquesa e azul cobalto, conforme é ativado de acordo com um contrato sagrado. 

Ele conserva a sabedoria e o conhecimento multidimensionais das eras. O segundo que foi salvo foi o Cristal Esmeralda. Agora ele está sob o Monte Maga, o centro cardíaco do Vórtice Cristalino de Arkansas. Ele tem aproximadamente 20 metros de altura e 5 metros de largura.

Atlântida – A Verdadeira Lenda da Queda

Queridos, estes cristais foram salvos da destruição, e agora os relembramos do motivo disso, pois esses seres cristalinos magníficos oferecem muito a todos vocês. A expansão, a finalização sagrada aplica-se a “todos”! Está na hora de se lembrarem quem vocês foram, de modo a se tornarem tudo o que são neste momento de despertar, neste retorno ao Campo Cristalino Quântico de Atlântida, a uma Era Dourada, uma época magnífica, traída pelo seu fim imprevisto. Então lhes contaremos a verdadeira história dessa extinção.

Vejam, Atlântida existiu por mais de 200.000 anos. A grande maioria dos tempos atlantes foi uma época de luz! Apenas a fase final, o período entre 17.500 AC a 10.500 AC foi uma era de trevas, como vocês dizem, mas uma época rica em lições.”

A Era de Ouro 

“Nós lhes dizemos que, de fato, o Período Dourado da Atlântida trouxe o nível mais elevado de Consciência Luminosa jamais alcançado no Plano da Terra, em qualquer civilização adiantada; mais alto que o da LeMúria, mais alto que o de Mu, mais alto que o de Rama, mais alto que o de Ignacious. 

Tornou-se moda considerar a Lemúria como uma civilização utópica, mas embora eles tenham realmente alcançado uma fase relativamente curta de consciência elevada, a maioria, naquela época, não estava verdadeiramente em seu corpo físico, mas num estado etérico, semelhante ao dévico, e não enfrentou as dificuldades requeridas pelo estágio físico terreno. Na verdade, a LeMúria nunca atingiu o nível altamente adiantado que existiu na Fase de Ouro da Atlântida, de 40.000 AC a 18.000 AC – uma época em que Deuses caminhavam com os homens e todos conheciam a expressão da alegria. Foi a época abençoada, na qual muitos de vocês caminhavam como Filhos das Estrelas, para mais tarde escolherem a biologia e os ciclos de lições da reencarnação no Planeta Azul chamado Terra.”

“Portanto, quando pensarem na Atlântida, “não” se lembrem apenas da sua triste extinção! 

Esta foi apenas uma fase curta do magnífico mundo antidiluviano, mas não deve ser esquecida, pois muito se ganha ao se compreender essa fase final. E está na hora de se lembrarem, Queridos.”

O Holograma Atlante

E assim falaremos da outrora poderosa Atlântida, e falaremos para todos vocês, pois a Atlântida é uma grande lição holográfica, cuja hora voltou, porque a lembrança da Atlântida não é apenas uma cura. Na verdade, para alguns ela é uma cura necessária, uma limpeza necessária, mas para outros é também um “empoderamento” benéfico. Ela traz de volta um tempo em que vocês viviam em consciência, independentemente dos seus inúmeros papéis na Atlântida. E, Queridos, 70% de todos os que estão no planeta neste momento, experienciaram a fisicalidade lá. Atlântida agora os chama.

E o chamado não é apenas para os da Lei do Um, mas igualmente para os Arianos, os Filhos de Belial. Na verdade, muitos de vocês experienciaram vidas em ambas ideologias. Isto os surpreende?”

O Dilúvio de 17.500 AC – Espiral Descendente da Fase Final

Falamos da época que se seguiu ao segundo dilúvio, quando a utópica Era de Ouro terminou e a Atlântida se dividiu em 5 ilhas. As três ilhas principais eram conhecidas por Poseida, Aryan e Og. As duas ilhas menores, estavam sob o governo de Aryan e eram conhecidas por Atalya e Eyre. E assim, nos dias posteriores à segunda ruptura da Atlântida, o benevolente governo monárquico, foi substituído pelo sistema federativo de governo, semelhante ao seu sistema de governos estaduais, em que cada um governava uma das ilhas. 

Desenvolveu-se, então, um tipo de aristocracia que consistia de duas ideologias opostas. Seus dois componentes principais eram os da “Lei do Um”, sediados predominantemente na ilha de Poseida, e “Os Filhos de Belial”, sediados na ilha de Ayran. A Ilha de Ayran era a mais populosa e exercia influência e controle político sobre Og, Atalya e Eyre.

Na época da Atlântida, Poseida era o complexo de portal-vórtice mais potente do planeta. O agrupamento da ilha de Poseida abrigava o Templo da Cura, o Templo do Som, o Templo do Um, o Templo da Regeneração e o Templo do Conhecimento. Poseida abrigava a maioria dos centros mais importantes de ensinamento superior. Estes foram colocados em Poseida, devido à sua localização privilegiada nas redes geodésicas e à sua proximidade com energias eletromagnéticas benéficas que subiam em espiral do centro da Terra. 

Uma fonte de cura incrivelmente potente fluía em Poseida, perto do Templo de Cura, e sua fama gerou o mito da “Fonte da Juventude” transmitido pelo povo nativo da Florida. Ela ainda corre para os oceanos perto de Bimini.

Os seres altos – a raça dourada de Atlântida, de origem “pleiadiana” – estavam centrados em Poseida e tinham, em média, 10 a 12 pés de altura. Formavam uma raça pacífica de gigantes, envolvida em atividades culturais, artísticas e educacionais, no coração da Atlântida. Poseida era também a sede e o núcleo da rede de energia cristalina e do sistema de túneis interdimensionais. Os cristais mais avançados, complexos e bonitos estavam lá. 

Eram de construção Arcturiana e Siriana, um amálgama vivo de muitas formas cristalinas, permeadas com uma liga de platina e ouro. Os cristais eram guardados em Templos magníficos, alguns construídos de mármore, outros de placas cristalinas de beril, corundum e diamante. Poseida era também a capital da ilha, e era chamada A Cidade Esmeralda. 

Os atlantes tinham desenvolvido, com tecnologia arcturiana, a capacidade de criar cristais de todo tipo de estrutura e essência, num crescimento acelerado, nos leitos de cristal subterrâneos de Arkansas, Tibet e Brasil, todos sendo colônias atlantes, acessadas através do sistema de túneis interdimensionais.

Através de toda a Atlântida, cristais da rede de energia, chamados “posers”, eram triangulados e conectados através de uma haste de cobre-dourada, sob uma abóbada esférica que podia ser angulada para receber ondas de energia estelar, solar e gravitacional específicas. 

Este era o sistema usado para fornecer energia aos lares, escritórios, meios de comunicação, teatros, fábricas, centros médicos, escolas e empresas.

 O sistema “poser” era recebido em cada estrutura, através de unidades cristalinas receptoras de vários tamanhos. O sistema “poser” também era capaz de receber luz refratada específica e injetá-la no sistema de energia Ley, para ser usada no sistema de túneis interdimensionais, e inserir luz cristalina em correntes terrenas condutivas, para elevar a frequência a um campo plasmático eletromagnético semiconsciente de energia benéfica, capaz de reter frequências espirituais.

Um grande satélite cristalino, conhecido como a segunda lua de Atlântida, flutuava no céu e recebia, amplificava e refletia energia refinada de volta para os cristais, com vários propósitos benéficos. Ele servia tanto aos “posers” quanto ao Cristal Mestre usado nos Templos. Campos de energia especializada, eram projetados em plantações e, em áreas de desenvolvimento de cristais, para amplificar e acelerar seu crescimento, assim como em universidades, hospitais, escolas, escritórios, fábricas e locais de trabalho, para criar uma sensação de bem-estar e ânimo nos trabalhadores e estudantes. Falaremos mais sobre esta “segunda lua” mais adiante.

Os Templos eram obras impressionantes de geometria sagrada e arquitetura deslumbrante. Muitos dos grandes templos eram cobertos por uma cúpula de luz cristalina amplificada projetada, semelhante a um campo de força brilhante. Estes eram de várias cores e brilhavam dia e noite. Eles variavam de acordo com o propósito do complexo do templo.

Alguns templos projetavam cúpulas e campos de luz vibratória e frequências de som ressonante que ampliavam os sentidos e os chacras, outros amplificavam a capacidade da mente para receber ensinamentos, e outros possibilitavam consciência, comunicação e transporte multidimensionais. Além disto, durante a Idade de Ouro da Atlântida, a maioria das principais cidades tinha cúpulas cristalinas de campos de energia sobre elas.

Depois do segundo dilúvio, só a Capital Poseida tinha uma cúpula de energia cristalina completa, e era de um incrível verde esmeralda.

Antes do dilúvio de 17.500 AC, a maioria das principais cidades, incluindo Meruvia, Capital de Aryan, tinha uma cúpula de energia sobre o seu perímetro. A de Aryan era de um vermelho rubi suave.

Na Idade de Ouro da Atlântida, as Pirâmides eram de três ou quatro lados, dependendo da sua finalidade, e geralmente eram feitas de mármore, granito e cristais complexos. As pirâmides de três lados, eram usadas como antenas para atrair e amplificar energias, que eram injetadas na rede de “posers” para fornecer energia às casas, fábricas e criar campos de energia para diversas utilidades. 

O satélite cristalino era usado para refletir as ondas de energia estelar angulada nessas redes triangulares. Havia mais de 100 desses complexos de rede piramidal triangulada. Eles foram construídos em padrões triangulares concêntricos por todo o planeta. E estabeleciam uma malha hemisférica de energia cristalina e eletromagnética, dividindo as áreas da Atlântida, América, África, Europa Meridional e América do Sul em centros demográficos diferentes, para prover energia aos centros urbanos, e modular os padrões de tempo e as marés. As áreas da Mongólia e Tibet, também faziam parte desse complexo, conectadas por túneis ley interdimensionais. Mas o maior agrupamento deles estava nas terras de Atlântida.

As pirâmides de quatro lados eram, basicamente, conjuntos de Templos construídos como octaedros completos e usados para cura, aprendizagem, regeneração e propósitos espirituais. Estes não eram triangulados, e eram geralmente localizados no alto de montanhas ou ao longo da costa, para receberem tanto a energia telúrica quanto as energias celestiais. A terra sob o plano central era escavada de modo a permitir a construção da pirâmide inversa para formar o octaedro, conectando assim, energeticamente, o acima e o abaixo.

Os adeptos da “Lei do Um” de Poseida eram devotamente espiritualizados e buscavam a igualdade entre as pessoas e a unificação com a Unidade. Embora muita tecnologia e qualidade de vida tenham se perdido nas duas rupturas anteriores da Atlântida (a primeira em 58.000 AC, a segunda em 17.500 AC), a tecnologia ainda se mantinha num nível adiantado. Entretanto, a harmonia vivenciada na Era de Ouro da Atlântida teve uma queda acentuada depois que se desmembrou em ilhas, em 17.500 AC, pois as ilhas passaram a ser governadas por entidades separadas, que mantinham ideologias diferentes, no período inicial e caótico de reconstrução que se seguiu ao rompimento.

Poseida e os Atla-Ra

Um grupo altamente disciplinado e evoluído de sacerdotes cientistas, conservavam o conhecimento técnico e a competência para gerenciar as redes de energia cristalina. A grande maioria dos Atla-Ra era da raça dourada alta, mas havia também alguns que pertenciam às raças bronze, branca, marrom lemuriano e cetacea. Naquele tempo ainda havia golfinhos que andavam em duas pernas, se comunicavam verbalmente e respiravam ar de modo semelhante aos seres humanos. 

O grupo de sacerdotes cientistas eram conhecidos como os Atla-Ra e ainda conservavam os padrões superiores de consciência. Eles eram capazes de continuar vibrando em altas frequências de consciência, no nível de luz e energia da 12ª dimensão e acima, mantendo-se muito puros e sintonizados com o verdadeiro conceito de “Unidade” de Deus/Criador. Eles mantinham contato telepático de dimensão superior com os irmãos espaciais das Plêiades, Arcturus, Andrômeda e Sírius.

Os Sacerdotes Atla-Ra eram muito venerados e estavam tradicionalmente separados, acima e isentos dos controles governamentais. Assim, eles mantinham o conhecimento e o gerenciamento superior da tecnologia dos cristais, nas mãos sábias e benevolentes do grupo, embora houvesse alguns técnicos e engenheiros de cristal da população de Poseida, que não faziam parte da ordem dos Atla-Ra. 

Entre os Sacerdotes Cientistas Atla-Ra, haviam homens e mulheres e eles eram capazes de grande longevidade, tanto através da regeneração do poder da mente, quanto através da tecnologia do Templo do Rejuvenescimento. Muitos viviam numa mesma biologia por 6.000 anos, e outros por 12.000 anos! Desta forma, a tecnologia era preservada através desse grupo sagrado.

Muitas almas brilhantes estão entre eles. As entidades que vocês conhecem por Galileu, Isaac Newton, Einstein, Tesla, Edison, Marcel Vogel, Ronna Herman e Da Vinci, estavam entre os Atla-Ra. Tyberonn e Oneronn faziam parte desse grupo de sacerdotes cientistas, que tiveram vidas muito longas.

Muitos de vocês, principalmente os artistas, têm muitas lembranças da capital da Atlântida situada na região de Poseida. Ela era chamada de Cidade Esmeralda, devido à cúpula de luz verde brilhante projetada sobre ela. Alguns dos seus artistas de fato, fizeram interpretações dessa cidade que são bem precisas. Era uma maravilha de arquitetura, cultura e engenharia, de longe a mais linda metrópole que já existiu no seu planeta. 

Era de tirar o fôlego! 

Essa cidade, também chamada Poseida como o Estado, era composta de uma série de muros concêntricos e rodeada de canais de escoamento verde-mar. Era repleta de Templos, Universidades, Teatros e Museus, todos lindamente construídos. No topo de uma montanha, e no centro exato dela, situava-se o deslumbrante e majestoso Templo de Poseidon, que era visível de qualquer ponto da sagrada Cidade Esmeralda. 

No interior do Templo, havia uma estátua de ouro maciço do Deus do Mar dirigindo seis cavalos alados feitos de platina extraterrestre. A estátua era adornada com pedras preciosas de todas as cores e tipos. O Templo era octogonal e, ao longo de cada uma das 8 paredes, havia nichos com plataformas para cristais impressionantes, de 12 pés de altura, que brilhavam como diamantes transparentes. Poseida tinha sido a menos danificada entre as principais cidades da Atlântida, depois do seu desmembramento em ilhas, e ainda mantinha uma frequência muito elevada e ótima qualidade de vida.

Esta é uma canalização que realmente contém muitas informações e para que você possa assimilar todas elas, continuaremos amanhã 24/04/2020, neste mesmo horário aqui no canal. Metraton esclarece sobre Aryan e o Complexo Industrial,  O Congresso de Unificação Atlante, Lei do Um e Filhos de Belial entre outros temas realmente reveladores, se você está chegando após essa data os dois vídeos estarão disponíveis aqui nas descrições.

Daqui lhe enviamos as energias de Amor e Luz para que você sinta o quanto é amado e apoiado sempre a expandir a sua própria Luz!

Tags: arcanjo , metatron arcanjo , Atla-Ra , atlantis , grade cristalina de cristal , Leys cristal , chakras terra , grades terra , lei de um , as linhas ley , geometria sagrada , locais sagrados , tyberron. guardião da terra, Aryan, lei do um, lei do uno, atlante, 

Fontes:  Arcanjo Metatron, canalizada por Tyberonn

10 de Junho de 2010 Earth-Keeper.com

thehealersjournal.com/2012/05/11/archangel-metatron-the-incredible-true-story-of-the-rise-and-fall-of-atlantis/

Tradução e Produção: Equipe Luz Das Estrelas https://luzdasestrelas.com.br/

Compartilhar: